Welcome to Daedalus' Labyrinth

This blog has been created with the intention of posting online some ideas, points of view, histories, stories, tales and anything else that its creators want to write about.

The posts will be signed as from "Daedalus" or from "Uranus", therefore, differenciation will be easily noticed.

Saturday, December 31, 2011

2011 Retrospective

January - I think it's when I created this blog so I could write whatever I want online and have people reading it.
A very awkward period of time of boredom between two intense time periods.
I was still waiting for the university admittance tests results and I was preparing myself to drastic changes in my life that were about to come.

"It's all in my mind. All in good time"



February - After my approval and admittance in the university, I moved to Rio and I started building what we can call as a new life.
It all revolved around Mars.
I had to cut my hair short and wear ordinary clothes so I could convince my parents that I would be a normal person in Rio.
Thanks to a very good friend of mine from the south, I met the one who would be my best friend in Rio.
Adaptation was pretty easy since I could stand no longer living in that other town, since I had spent 2010 designing my own way out of that living hell I was living in.

"It's the promise of spring, it's the joy in your heart"


March - the winds got stronger and university had started and became the trigger of what would 2011 end up being.
There were the Iron Maiden show, the first party with those who would later become my closest friends in Rio, and it was all so new, all so glowing and so fantastic.
Sooner than I had first thought, I started holding most of my uni class in contempt for the wretches they are.
I had brought a new dawn into my life and it was quite interesting.

"I'm never gonna stop searching"


April - That one was a very pleasant month. Hanging out with new friends, travelling and getting to see the old ones.
One by one, my old stars were leaving my routine and my diaries.
To whom it may concern, on the other hand, I was finding new good people and befriending them everywhere. That positive magnetism was really wondrous to me then.
And the changes kept going on.

"It's all a blur last night"


May - With my majority, freedom had arrived at a new stage in my life.
It all had become more intense.
The university exams and my studies.
The parties and the hanging outs.
My endless doubts and my will to feel thrilled.
I had started saving money so I could try to get admitted into the university of Oslo on the next year.
I had started creating many plans on travelling abroad in the end of the year by any means necessary.
Then I realised that my dreams themselves were stronger than some ... people.

"I could swear by your expression that the pain down in your soul was the same... as the one down in mine"



June - My heart was divided between my love and my goals.
I had arrived at the ultimate generosity level. In which I could give up everything for something of a great illusion.
I was working restlessly so I could keep it all on a short leash and at my reach. I wanted to have good grades, a good social life, a considerable time of rest and all at the same time.
I pursued one of my old concepts of perfection.
Nothing was allowed to fail in my so-called design.
I had given much of my old innocence in exchange for my new found freedom.
But something of bigger measures waited for me in the following month.

"Spring bleeds in Paris"


July - I had finished my first semester in the uni with good grades and I was ready for something I had been expecting for a long, long time.
I went to Paris for the first time and I fell in love for the real part of a dream which I had been loving since I was a child.
I met outstanding people, a marvelous culture and an ancient and beautiful country.
Nevertheless, some bounds still attached me back from where I came and part of me wanted to return and to extinguish that painful distance.
What would I do ? How to have it all at the same time ? How to succeed in something so daring, so difficult and so extraordinary ?
Somehow I guess I just knew that I was really born to fly anyway.

"You and I will walk together again"


August - a month for settling down and searching for some balance and peace of mind. Those efforts had then proved useless. My pessimism, misstrust and intuition stood on one side against any faith or blind belief I might still have had then.
The new Moon was rising as the Sun was decaying. Then I felt my heart was more splitted than ever ! I could not make a wise choice since I wanted it all. I wanted everything that was in my grip and I would rather die then to let go off them.
My main efforts were on so rock in rio would go fine according to what was being planning the whole year.
I wanted both Sun and Moon close to me, but... somehow, I wanted to get rid off them and preserve my freedom. I wanted to be far away from them, far away from something that I always knew to be impossible.

"An illusion reaching there for me"


September - All at once, my schedule for rock in rio had failed and I had to travel to Brasília in that same day and pretend to be fine and alright to everywhere while I was also trying to work it all out, to fix what was wrong.
I brought the Moon to rock in rio so I could replace Sun there. It worked better than I had expected. Until the momment I realised that my heart was completly closed to anyone else when both of them were away from me. Longing was illustrating my heart.
I went to Rock in Rio during the Metal day and it was really an awesome experience.
I also went to a Blind Guardian show.
I had got a wonderful opportunity to spend part of the next year in Europe by some awesome european friends of mine and I would find myself working restessly in order to succeed with this whole idea very soon.

"And will we ever end up together ? No, I think not. It's never to become... for I am not the one"


October - Although I had great advances with both Sun and Moon, Moon had turned against me all of sudden and I had to painfully sever that beloved tie I had just created.
Sun would never sound true when sober and that I fedding me up. The lies, the deceiving, the feeling of exaustion that was spreding and growing deep inside of me were too much for me to stand.
By the moment I felt my feelings were far too offended to go on with that, I knew it was time to put an end to all of that. Then I severed my precious ties with Sun and with many other people that had become nothing but past redemption.
After all of that, I was utterly devastated. I did not know what was right and what was real anymore. Than I took three weeks of that blooming spring to re-born.
I had to open my heart, to regain my self-esteem, to belive in myself again, to move on, to leave it all behind and fly, fly away.

                                                   "How could I burn paradise ?"


November - I race against time and against all circunstances so I can do my cultural exchange abroad in 2012. I went after jobs, opportunities and low prices. I stood on and on against them all and it was easier since I did not feel that I still had anything else to lose here.
I had to drown october under all I was doing so another change could come according to plan.
And some of those who want me to come back ar part of the reason why I wish I could stay away forever.
My new friendships got stronger and my objectives got clearer.
Fortunately, I felt strong again, strong enough to face it all.

                                               "Come take a walk on the wild side"

December - I met with a great friend of mine for the first time in a travel to Curitiba.
I have started searching for peace of mind and inner-balance through a meditative yoga.
After retrieving my self-esteem and my personal strength, I thought it was time to clean my soul from all harm and grudge it might be carrying along.
The meditation has been proving itself very useful and helpful and it has made me more patient and more foccused on myself.
Next step will be using it so I can bend time to my will and let us make a truce.


written by Daedalus.

Monday, December 12, 2011

Cuncta Stricte Discussurus

"Silence is my enemy
 Against my urgeny
 So I'll rally up the demons of my soul"

Os primeiros raios da minha tão aguardada aurora começam a surgir. Embora ainda haja muito a ser feito, já me sinto um pouco mais seguro quanto ao meu grande design.
A próxima grande alta será quando eu estiver com o "schedule" completo e com as passagens em mãos.
Meu coração dispara e entro em profundos suspiros quando, ao ver os diversos símbolos europeus pelo meu quarto, deparo-me com a possibilidade de pisar naquele solo nova e brevemente.

Não me tarda ver que já estou depositando todos os meus esforços nisso e que não me haverá descanso mental até o seguro sucesso de tudo isso.
Ainda devo resolver possíveis problemas com a burocracia e verificar a data de validade do meu passaporte.
Os meus demônios, a minha força de vontade e o meu coração estão unidos nisso, o que ajuda bastante. Visto que posso entregar-me completamente a esse objetivo.
Por hora, vou recortando o tempo, resolvendo burocracias e a questão financeira.  Manter o meu universo em harmonia e proteger o meu karma também são muito importantes a essa altura. Tranquiliza-me estar com um estado de espírito em constante e rápida regeneração. Cortar os grandes laços talvez haja realmente sido necessário em prol da minha liberdade espiritual.
Quanto a liberdade de ir e vir, sigo com o ensinamento do meu pai em mente "O preço da liberdade é a eterna vigilância".
Mas também aprendi que "To be free, one must give up a little part of oneself".

Em dezembro, cuncta stricte discussurus !


Saturday, November 26, 2011

Doce Obsessão - Douce Obsession

Mesmo sem os meus maiores laços, a Terra continua girando e os dias vão-se apressados sem dizerem a razão de serem-no.
Mais uma vez, comecei uma batalha contra o tempo e contra a sorte para conseguir ir à Itália no ano que vem.
O tempo realmente regenera, sinto-me um pouco melhor a cada dia que passa.
Não importa o tamanho do vazio que possa haver ficado, o tempo ignora tudo. O destino não tem pena de ninguém.
Os velhos sonhos crescem e mutam na doce obsessão de conseguir essa viagem.
Chego ao ponto de aceitar passar o natal sozinho para poder trabalhar e juntar dinheiro para realizar a minha própria profecia.
Talvez eu apenas queira convencer-me de que não preciso de outrem senão eu mesmo ao todo. Talvez eu esteja certo e errado ao mesmo tempo.
O bom humor e a respiração continuam sendo minha espada e meu escudo para levar o meu corpo aonde a minha mente já está há muito tempo.
Vincerò !

Même sans mes liens les plus grands, la Terre fait son tour encore et les jours s'en vont très rapidement et ils ne disent pas pourquoi d'être si vite.
Encore autre fois, j'ai commencé une bataille contre le temps et contre l'hasard pour réussir aller à l'Italie l'année prochaine.
Le temps, en fait, fait guérir les blessures, je me sens un peu mieux à chaque jour.
Quoi qu'elle en soit la taille du vide qui puisse avoir resté en moi, le temps ignore tout. Le destin n'a pas pitié de nous.
Les vieux rêves ont grandi et se deviennent en la douce obsession de réussir ce voyage.
J'arrive au point d'accepter rester seul pendant le noël pour pouvoir travailler et gagner de l'argent suffisant pour faire réelle ma propre prophétie.
Qui sait si je ne veux que me convaincre que je n'ai pas besoin d'autrui sinon de moi-même au tout ? Je peux être correcte et avoir tort à la fois.
Le bon humeur et la réspiration sont encore mon épée et mon écu pour emporter mon corps où ma tête est allée depuis longtemps déjà.
Vincerò !

Thursday, November 17, 2011

A Perfeição



Eu disse : "O perfeccionismo vai acabar matando-me"




Mas meu sereno amigo Lanväettir seguia dizendo-me tudo o que eu precisava ouvir. Eu sabia que precisava, eu sabia que devia.


"eu acho que tu é maduro demais pra fazer as escolhas certas. Se tu notou isso e quis terminar com o circo, deve ter sido melhor".

"sempre inventando filtros pra tornar tudo tão difícil"

" a vida é simples, e é a gente que complica. não seja minucioso e egocentrico."

"A vida é só uma, para de viver e alimentar uma depressão sem cabimento."



"só quero que tu pare de estragar as coisas quando elas não andam" << A mais verdadeira.


"a vida é um carma, os obstáculos estão aí pra melhorar quem somos. tu tem que parar de errar nos mesmos pontos... já é hora de crescer com esses erros."


"e esse teu ódio que tu senti por alguns dias, e essa depressão que tu adora alimentar, vai te prejudicar muito se não mudar.. é uma droga pro organismo também, sem falar do abalo psicológico ~~~por besteiras~~~"

"Porque os filtros que vc inventou são tão desnecessários
que de alguma maneira
vc quis consumir com qualquer coisa que fosse legal e romantica, e consequentemente veio o estrago e a depressão.
isso move as coisas, mas vc consegue afundar na maioria das vezes."



"eu te vejo como um adolescente agora, e antes eu te via como uma pessoa madura."




Pois tudo o que você lê sou eu. Mas eu não sou tudo o que você lê.

Mas de onde vem tudo isso ? De onde vem o que sou ?

O perfeccionismo, o vício pelo controle ?

Quais os meus limites ? Até onde posso considerar-me são ?

Até quando pensarei que a ciência não desvenda senão a infelicidade ?

São muitas dúvidas que me surgem o tempo todo e constantemente. Apesar de tudo, gosto da dúvida. Acho-a apaixonante e extremamente inspiradora.
De fato, o perfeccionismo mata. Antes disso, porém, insandece.




                           "Omnes Vulnerant, Ultima Necat"

Wednesday, November 9, 2011

A Primavera

Bastou-me uma noite bem dormida para que, ao chegar da aurora, viesse a mim uma sensação; uma pontada no peito. Era uma infecção.
Mas num sentido figurado da coisa, era a sensação de algo violado.

Isolar-me do Sol e da Lua ao mesmo tempo foi como tirar-me o próprio chão ou puxar-me o próprio tapete sobre o qual estava eu.

Porém, eu já não suportava mais; era-me demasiado ironia para pouco destino.


Inverter o tempo e tentar mudar o destino pedindo de volta o que outrora pertenceu a você talvez não seja um lamento nostálgico e acorrentado ao passado, mas sim o oposto. Inverter o tempo é trazer de volta algo que você era, mas que nunca deixou você realmente. Mudar o destino é desatrelar-se daquilo que fazia você pensar não ser mais tão grande como antes você era mesmo que isso pareça impossível.


Do latim "Tempus Primum" A primavera representa o primeiro tempo, o nascimento.
Associo a primavera à minha vida de forma bem íntima. Durante o inverno, algo morre em mim para que eu esteja pronto para a primavera. Afinal, todo fim anuncia um novo começo.
Foi um inverno difícil e talvez esta seja uma fria primavera, mas estas costumam seguir-se de fortes verões. O tempo compensa-se por si só.

Torno a admirar as estrelas pelas estrelas que são.
As pessoas são realmente como as estrelas. Às vezes, precisamos perceber que algumas delas aparentam brilhar, mesmo há muito estando apagadas.

                                    "Et quand le printemps meurt, pour le prochain printemps"


Wednesday, October 19, 2011

Tabula Rasa. 5 Fronts

Look.... what you've done...


Estou com uma mistura de sensações de cansaço e revolta onde prevalece uma indignação e um estranhamento a quase tudo à minha volta.
Desentendo-me com meus demônios,
com esse país,
com as imperfeições do meu design,
com as minhas imperfeições,
com o meu coração,
comigo e com você,
.. e com vocês.
É como se eu fosse um rei e comandasse 5 fronts ao mesmo tempo. Não dá, sobrecarrega, sobrepesa, cansa.
Algo ficaria mal feito e detesto qualquer coisa mal feita, ainda mais sob o meu feitio.




Look what ... you've done


Parte disso é culpa do meu imediatismo. Da minha ânsia por resultados rápidos e por comprovar a eficiência dos meus métodos.
Há uma grande porção de ultrarromantismo nisso tudo. Não que eu esteja com algum tipo de autopiedade, não mesmo. Acho o fundo do poço essa de autopiedade.
 Onde fica a tal paz interior nessa história toda ? E o que eu faria comigo mesmo caso encontrasse essa paz e esse equilíbrio ?
E por que eu buscaria paz interior ? Seria isso o que realmente procuro ?
Ou seria atenção ? Ou sucesso ? Ou amor ? Ou reconhecimento ? Ou conhecimento ? 5 fronts, não consigo aceitar isso como inviável mesmo que isso acabe comigo. Desistir é algo que a minha obstinação e as minhas obsessões não me permitem fazer.

Não sei se a tábula rasa seria meu remédio ou meu veneno, pois não saberia eu dizer se há verdadeiro re-começo ou se apenas a morte trazer-me-ia alguma paz.
Mas como falei, não faço o tipo desistente e prefiro morrer tentando realizar meus objetivos e tudo o que almejo do que cogitar suicídio. Ademais, nesse jogo de soma zero que é a vida,
"Que me importam os raios de uma nova aurora ?"

"Get on with life"


Wednesday, October 12, 2011

Graceless Sky

Graceless Sky - by myself

The sky turns purple
So the night may come
I hear the calls
And soon I'm gone

An overload of faces
And a sea of dreamless strangers
Just filthy breaths
And a deep lack of grace

The thin tissue of my smile
takes only a few hours
to lose all of it's pattern
making me odd to others

A drink and a laughter
A sigh and a stutter
And I'm sorry I had to go
I hate resorting to silence




"I've been in love but I didn't know how to feel it
And I've been adored but I don't know if I ever believed it
I've been loved my whole life but I didn't know how to take it"




Friday, October 7, 2011

A Graça, o Sono e o Tempo

O destino tem caprichos que sempre me lembram o quão fictícia é a tal razão.
 Deve haver algum parentesco astral entre o sono e o tempo, há diferença entre eles, mas a semelhança é incrível.
Explicar-lo-ei a vós.
Sono
1 - involuntário
2 - simulação da morte
3 - ignora tudo quando vem

Tempo
 1- involuntário
 2- sepulta até o túmulo
3- ignora tudo quando passa

Às vezes, parece-me muito mais fácil que eu seja amargo e seco e siga acreditando somente no amor que eu sinto e não no amor que outrem venha a dizer-me que sente. Assim, minha vida seria concentrada, focada aos negócios, melhor tracejada e inefavel e incontestavelmente ... chata.

Realmente, perante uma escala cósmica, quebrar a cara e render-se um certo tanto ao aleatório e ao caos soa mais interessante a mim. Afinal, do pó ao pó, não ? Qual a graça de viver de forma andróidica se o tempo, que tudo quebra, quebrará você um dia tão impiedosamente quanto qualquer outro ser humano ?

Nada se conclui .








Thursday, September 29, 2011

Tridente

Eu realmente gosto de música, pois quem me dera saber cantar.
Sério, se eu tivesse talento pra coisa, eu não estaria matando-me de estudar pra ter um futuro ... eu estaria tendo um futuro lindo cantando minha vida pelo mundo e ganhando muito dinheiro.
Ao mesmo tempo que isso me parece bem idiota. Você cobrar de uma pessoa que ama a sua música e a sua voz pra que ela ouça você cantar soa extremamente egoísta e detestável.

Acho minhas ideias tão paradoxais e ambivalentes que eu não me surpreenderia se um dia eu desenvolvesse uma daquelas doenças psiquiátricas que dão várias personalidades a você.
Acho até interessante, mas quase tudo que foge do normal é meio que interessante pra mim, o que me torna muito parcial nessa opinião.

Acho que esse excesso de informação e personalidade me torna uma pessoa mais forte de uma certa maneira. É como se, quando uma parte de mim fica destruída, as outras tomam o controle enquanto aquela se regenera. Felizmente, ainda não passei por nada ruim o suficiente p'reu ficar completamente sem chão.

Hoje, passei meia hora imaginando o que eu faria se eu tivesse o tridente de Poseidon. Estragos... acertos.. deixa pra lá.

Certo que eu seria um anfíbio, né ?


Wednesday, September 28, 2011

Parcas

Lately, I've been feeling like if time were passing too fast, as if it had an opinion upon the existence.
What do I mean  ?
Well, it is clear that, if there is any time at all, it ignores absolutely everything.
Exactly, time does not care about you and it will ultimately destroy everything you love before destroying you as well, however it may not be that selective and it might kill you first, just wait and see by yourself.

These past few weeks, time has been acting as if it really hates existence. Hate is better than carelessness.
Why ?
Easy question, it is always more harming when one is abandoned than when one is hated.
Why again  ?
Easy, the feeling of possession, you was clinging to something and then you cling on to nothing. If there is hatred between you and something/someone, cool, because it will feel good when you get apart.
Nonetheless, when you have love towards something/someone and this "being" abandons and/or ignores you... well, then you are just another grieving person in this sea of grief so called humanity.

Why is it more harming at all ?
This question can be simply answered by a quick reflection, so, reflect.

October ... it is so stupid that the tenth month has "octo" in it's name (I know about that January, February story by the way, but it does sound stupid).

The winter goes on in it's lateness. It is still cold and the sky is still darkened.
I hope the spring arrives soon, the time is coming for me to shed my skin once again.
I am to say that I already have kind of a sketch of what I will be changing on myself.

I may be starting all over or a may be starting anew. Either way, I seem to be never old enough.
Could it be immortality ? No, I think not yet.

"Omnes vulnerant, ultjma necat"

Monday, September 12, 2011

O Jogo de Soma Zero

Faz um bom tempo que não posto nada.
Foi-me de maior consolo ler as obras alheias.
E outras nem tão alheias.
Outras bem próximas
E algumas como "Poxa, como não fui eu quem escreveu isso ?"

Não sei se estou com algum bloqueio na minha criatividade ou se perdi temporariamente a fé na mesma.
É visível, este post segue o tempo psicológico e não o cronológico tradicional.

Minha vontade de respirar é sufocante. Ao proceder, não espere por autorização.

Sigo teimando que certas coisas cheguem ao fim.
Algo em mim luta contra a evidência de que nada é pra sempre.
Mas se eu quero, por que não pode ser ?
E se eu mantiver pra sempre ?
E se eu morrer com isso, aí é pra sempre ?
Que expressão tosca, "pra sempre".

Caráter ? Princípios ? Bem maior ? Moral ?
Acho que no meu dicionário, haveria três palavras.

1 - Medo - condição imortal da vida; temor em prol da preservação da própria existência/vida; premonissão de uma perda

2 - Amor - "L'amant est, de toujours, plus divin que l'aimé" ; aspiração incompreensível humana pela imortalidade; Sentimento que preserva a coerência dentro do absurdo; abstenção da própria existência/vida em prol/salvação de uma vida alheia, ou nem tão alheia, ou bem próxima, ou uma vida "onde você esteve na minha vida inteira ?"; companheiro do medo e do tempo.

3 - Ficção - Absolutamente tudo o que não diz respeito ao medo e ao amor; cultura; costumes; línguas; as cordas da marionete.

É o todo dos conjuntos ? Matemática não é o meu forte, mas escrever. Ah, escrever..

Sobre a coroa de louros e a liberdade
sobre o silêncio eterno, a pseudocerteza e a escuridão
sobre uma criança, assassinos, grandes insetos e árvores protetoras
sobre a delicadeza, as auroras e julgamentos

E isso está como "poxa, eu escrevi isso".

Wednesday, August 10, 2011

Post Equilibrium

Muitas, senão todas elas, pessoas buscam um equilíbrio em suas vidas. Seja num âmbito específico como : o amor, a saúde, a rotina, a situação financeira, et cetera.
Uma coisa é certa, equilíbrio é uma metáfora, uma ilusão, um conceito, uma arrogante medida para algo imensurável.

Na mitologia egípcia, o equilíbrio espiritual de uma pessoa era associado à vida eterna. Necessário para que a mesma pudesse ser obtida após o óbito carnal.
Ao morrer, as almas iam a uma espécie de câmara que mediava entre os dois mundos (dos vivos e dos mortos).
Nessa câmara, Anúbis, o Deus dos mortos e dos chacais, aguardava a chegada das almas junto a uma enorme balança.


Na balança, dois pesos seriam comparados. O do seu coração e o de uma pluma.
Se o seu coração fosse amargo, rancoroso e pesado, ultrapassando o peso da pluma, sua alma estaria condenada à inexistência e seria, então, devorada por uma besta que residia na câmara.
Se o seu coração fosse demasiado leviano e tolo, pesando menos do que uma pluma, seu destino não seria diferente dos corações frios.
Era necessário que você tivesse um coração experiente e não menos insensível por isso para que obtivesse a vida eterna. Só assim, a pena e o coração estariam equivalentes na balança do Deus da necrópole.

Posteriormente, Anúbis perderia o seu posto para seu pai, Osíris. Ficando, então, responsável pela proteção da câmara e por trazer as almas até a mesma.


Many, if not every, people seek for a balance in their lives. Be it on a specific subject such as : love, health, routine, wealth, et cetera.
One thing is for sure, balance is a metaphore, an illusion, a concept, an arrogant measure for something that cannot be measured at all.


In the egypcian mythology, a person's spiritual balance is associated to etternal life. It is necessary in order to obtain etternal existence after the body's death.
After being deceased, the souls went to sort of a chamber that connected both worlds (living's and dead's).
In this chamber, Anubis, the God of the dead, waited for the arrival of the souls next to a huge scale.


On the scalesm two weights were to be compared. The heart's and a feather's.
If your heart were bitter, grudgy and heavy, overweighting the feather, your sould would be condemned to cease it's existence and therefore devoured by a beast that also used to inhabitate the chamber.
On the other hand, if your heart were far too light, weighting less than a feather, your fate would not be different than the fate of the cold hearted.
It was necessary that you had a heart that were sage and sensible at the same time so you could get the etternal life. Only this way, the feather and the heart would weight equally and the necropoly's scales would be evened.

In later times, Anubis would lose his duty to his father, Osiris. Becoming, henceforth, responsible for the protection of the chamber and for bringing the souls of the dead to it.






Sunday, July 3, 2011

A "Missed Conception"




I decided to write this article when my comment to your last post was getting too large !

I know you are not a fan of Machiavelli, but he used to say that "Nothing is more destructive to itself than the excess of freedom".

I believe that we often mistake the concepts of freedom and happiness.
Sometimes they can be so different.
Sometimes, they may be coincident.
Like a caged bird (Una gabbia andó in cerca di un uccelo, haha). For a bird, happiness and freedom are equally represented by their flight.
Birds are ultimate free creatures. They don't need their homes, they can change it whenever they want. They don't need money, neihter garbagge nor big goals.

Humans, however, are wingless "lonely two-legged creatures". Therefore, some of us feel the need to possess a large amount of wealth, huge palaces, the achievement of grand objectives. Churchill used to say that we are all prisioners of our own minds.
I understand that quote in the following way :
"We humans have become slaves of our own racionality. We built a culture that evolves faster than our brain's development itself. We have become in need and completly dependent of our cultural creations. We need our homes, we need our technologies, we need our poems. We live a life that is artificial in it's very essence".
Nonetheless, it is still possible to find happiness despites being utterly consumed by the daily logistics of life.
My actual and personal idea on human freedom is that a human being may only achieve true freedom through death.

Written by Daedalus in reply to Uranus' last article.

Freedom - Libertà - Liberdade - Freiheit - Libertad - Liberté

Yes, six languages, but they're still not enough to explain the meaning of the concept of "freedom". No one, nothing could ever give an universal definition of what is though to be the biggest and most unreachable desire of mankind, nevertheless, a lot of writers, philosophers, almost everyone tried to do that, without great achievements.
As a matter of fact, in my opinion, freedom is an individual feeling, a personal goal, and in its individuality it shows itself in different ways. In few words: "Freedom changes from person to person".
One would expect everyone to love the idea of being free, without any boundaries, controlled just by his own will. But many of us don't know that people who seek the conventional ideal of freedom are fewer than what we'd expect. 


Franz Kafka wrote that “It's often safer to be in chains than to be free” and  “You are free and that is why you are lost”


Isn't that true? Human beings are not made to live alone, to hang around without an objective. Well, actually this is freedom in its raw meaning. To know noone, to care only about yourself, to have no goal, no destination. In this weird condition, a man would be lost, as Kafka, rightfully said.

But.mankind changed nature, the world, everything, and we can even change the concept of "freedom" as we want. And this is easily remarkable in philosphers' and writers' opinions. For example:

Freedom is the will to be responsible to ourselves.  ~Nietzsche, Twilight of the Idols, 1888

There are two freedoms - the false, where a man is free to do what he likes; the true, where he is free to do what he ought.  ~Charles Kingsley

None are so hopelessly enslaved as those who falsely believe they are free. - Goethe 

And I could go on. It's even hard to find two people who have got the same idea of freedom in this world. 

But...
isn't this the real freedom? Freedom is to think of "freedom" the way we want to. To achieve what makes us happy, or what makes us unhappy, depending on what we want from our lives.
We are made up of chains, boundaries, burdens, what we are can be seen int hw way we struggle against oppression. 

Dying? Crying? Fighting? Protesting? Doing nothing?

This is it. People can be free even in their happiness, or laziness, and so on.

But I think nature is the greatest teacher of all. And I always think this way.
In South Italy, where I live, there are lots of birds, they can be called sparrows, but they're diffused especially in my land. There's something really curious with these birds: if one takes a newborn sparrow and puts it into a cage at home, the mom of the bird comes home to find her sparrow and feeds it with poisonous herb, to kill and save him from his prison. 
 
Life is our beatiful and lovely cage. (there's no sarcasm in this sentence)

Bye, dear :)
Written by: Uranus 

Friday, July 1, 2011

Julho. Jouillet


E é assim que Julho chega. Meio doente, meio fraco, meio desesperançoso.
É normal eu parar e perceber o quão meus dias são cheios e, ao mesmo tempo, tão vazios.
Há uma retomada em alguns objetivos.
Não consigo definir direito como foi o mês de Junho. Acho que nem os artigos de Junho podem definí-lo de forma satisfatória.
Às vezes, pergunto-me se minha memória me trairia a esse ponto. Às vezes, penso que é apenas uma overdose de informação.
Pra que serve o infortúnio ?
Como posso desacorrentar-me dos grilhões que fiz com tanto cuidado ?
Talvez a resposta não seja quebrar nenhuma ligação.
O sono, talvez seja hora de adormecer esse demônio.
Preciso de tempo pra regenerar.

Et c'est comme ça que Joullet il arrive. Un peu maladi, un peu faible, un peu sans des espérances.
C'est normal que moi je m'arrête pour voir comme mes jours ils sont pleins et, au même temps, si vides.
Il y a une reprise en des objectifs.
Je ne sais pas dire comment que ce mois de Juin me fut. Je crois que même les articles de ce mois-là ne vous pourront le dire d'une mannière satisfatoire.
Parfois, je me demande si ma mémoire me trahirait jusqu'à ce point-ci. Parfois, je pense que ça n'est que seulement un excés d'informations.
À quoi ça sert le malheur ?
Comment puis-je me desaccrocher des chaînes qui je fis avec toute ma tendresse ?
Peut-être, la réponse soit que je ne dois écraser aucune connexion.
Le sommeil,  peut-être ça soit l'heure de faire dormir ce démon.
Il faut du temps pour régénérer.

Friday, June 24, 2011

Poison.

I feel like an alien. Like the oddest human being ever born in this stupid world.
The few things I still believe are through being unproved to me. To erase all the faith that I still have on humanity.
And when I think that it's all in my head, I wonder if it wouldn't be better if I was never born at all.
Humans are fake, hideous, mean, liers, dissimulated, greedy and they hunt those of their kindred. Which is, by the way, the most wicked trace of theirs.
~~
I feel an inscreasing urgency deep inside of me screaming for unexistence.
You should aim better next time, for I am still alive.
~~
On moments like this, I feel like I should ignore and suppress every possible feelings and foccus myself only and exclusively to my studies. My studies will bring me wealth and status, which people don't seem to help with.
~~~
They are all so cheap, vain, empty and spititually immature. Have they got any kind of love other than their lascivia ? Is purity truly lost ? Am I to be deceived until I become one of them ?
What if I want to be different from them ?
What if I'd rather die than to belong to their despising kind ?
What if I need to flee from them ? Where will I go ?
I don'twant to be tested anymore, I don't want to be the one fighting alone all of the way
I want it all to ... I all want is .. tabula rasa
How can I tell my ego and make it believe that there's still hope, there's still light, there's still joy, there's still the "avenir". How ? Will I be lying to myself ?

"Memory is a poison. It can hurt you".

Whoever you are, save my life, change my mind.

L.ove
I.n
E.very
S.ense

Thursday, June 16, 2011

A Origem do Amor

As pessoas aparentemente gostaram quando contei esta história a elas com as minhas palavras e, como, pessoalmente, amo esta história, decidi que seria interessante fazer dela um artigo aqui no blog.

Esta "estória" é originalmente encontrada no simpósio de platão. Na cena do banquete, quando Aristófanes dá o seu discurso, que é, basicamente, "A Origem do Amor".

Há muitos séculos, quando a Pangeia ainda era o único continente e a Terra estava em sua plena juventude, os deuses já assistiam a humanidade do topo do Olimpo.
A humanidade, porém, não era como a conhecemos hoje.
Todos viviam em forma de esfera. Eram verdadeiras bestas enormes. Tinham dois pares de pernas e braços. E por terem duas cabeças, podiam enxergar tudo o que acontecia ao seu redor. Caso ficassem cansadas de andar, as bestas rolavam como grandes barris orgânicos.
Eles eram muito cheios de si e satisfeitos. Seres muito orgulhosos.
Seuxalmente, havia algo a mais. Eram três sexos ao invés de apenas dois.
Havia os filhos do Sol (dois homens grudados pelas costas, Andro), as filhas da Terra (duas mulheres igualmente coladas, Gino) e os filhos da Lua (Um homem e uma mulher unidos por detrás, andrógino).

Autosuficientes e ambiciosos. A ousadia era cada vez maior nas atitudes daquelas criaturas. Tal ousadia já começava a assutar os deuses que os assistiam cada vez mais receosos.
A gota d'água foi quando, a então humanidade, tentou subir o Monte Olimpo para tomar o lugar dos deuses, fazendo-os a maior afronta possível.
Os deuses concluiram que uma atitude deveria ser tomada.
Hefesto sugeriu que matassem a todos como fizeram com os gigantes.
Mas Zeus tivera uma ideia muito melhor e, então, apresentou-a aos outros olímpicos : Não podemos matá-los, pois precisamos de suas oferendas, sacrifícios, preces e fé. Há uma outra solução.
Hélio, escurece o Sol ! Hera, incha as nuvens ! Hefesto, traz-me meus raios. Cortá-los-ei bem ao meio e teremos o dobro de regalias deles ao passo que bastamos com sua arrogância !"
As criaturas que escalavam o monte pararam para ver o que acontecia. O céu se fizera escuro e algo terrível aconteceria, era óbvio que haviam exagerado.
E as navalhas mortais cairam do céu sobre a humanidade. As criaturas tiveram seus corpos partidos bem ao meio. A própria alma fora dividida pelos raios, cortando todos à própria miséria.
Fracos, feridos e humilhados, os seres humanos corriam para todos os lados em busca de sua outra metade. Mas como saber quem era se eles nunca se viram de verdade ? Eles viviam costa-à-costa e nunca haviam percebido o quão importantes eram um para o outro, pois já viviam como um.
Os que se encontravam, se abraçavam desesperadamente para voltarem a serem um outra vez.
Um a um, eles morriam de fome. A mortalidade exacerbada alarmou os deuses. Não podiam ficar sem seus crentes !
Zeus, então, teve outra ideia astuta e disse :
"Apolo, desce e cura essas bestas, puxa-lhes o sexo para frente, pois assim os opostos se reproduzirão e os iguais poderão satisfazer-se ! Após a cura, atá-lhes a cicatriz na barriga, como prova do que fizeram e lembrança do seu castigo !"
Apollo cumpriu sua tarefa, curando as feridas das criaturas, criando do umbigo a lembrança e a humanidade podia continuar vivendo.
Porém, havia ainda uma sede de vingança entre os deuses.
Ártemis causou um grande terremoto.
Hera, um grande maremoto.
E juntas, a maior tempestade de todas.
O continente da Pangeia se rasgou e nasceram os cinco de hoje em dia.
E todas as pessoas foram sugadas pela tempestade e espalhadas por todos os cantos do mundo. Condenadas a vagar eternamente atrás da outra metade, atrás daquilo que tanto as falta.
E Zeus avisou que se nos portamos mal, cortar-nos-ão outra vez ... e seremos caolhos de uma perna.
Quando uma metade encontra a outra, ela é invadida por sensações completamente antagônicas. Ao mesmo tempo em que desejam ser um outra vez. São imediatamente lembrados da dor da separação. Não é no rosto onde está a dor, mas, sim, no astral.
Quando juntas, as metades ignoram o tempo e a tristeza, pois estão fortes e completas. Quando separadas, tudo o que fazem é vazio e tedioso.
O abraço é o mais próximo da união que um dia tiveram e é onde encontram o que lhes é tão familiar.
A pureza do verdadeiro amor entre as almas que se completam é além da carne e além da mente. Ou seja, está longe da compreensão mortal.
Quando as duas metades estão juntas e não sabem explicar o por que de tal necessidade, é porque se amam verdadeiramente.
Foi pelo medo divino que nos convertemos em solitárias criaturas bípedes.

E neste mundo feito de ficção, nada além do amor é o que parece.

Saturday, June 11, 2011

O Naturalismo da Virtude

Há muitos séculos, na Grécia Antiga, deuses com conflitos pessoais muito semelhantes aos nossos de hoje em dia habitavam o topo do monte Olimpo.
O ar da graça desta estória é Éris, a filha de Ares e deusa da discórdia e da manipulação (bullying mental ?)
Entediada com a pacificidade do clima ali no Olimpo, Éris decidiu que era hora de provocar um pouco de atrito por ali. A Deusa então criou uma maça de ouro, linda, cheirosa e, o melhor, DE OURO ! Não sei se vocês já viram uma maçã de ouro, mas eu nunca vi e acharia super interessante se visse uma.
Éris então anunciou que daria a tal maçã áurea à deusa mais bela dos Olímpicos.
Atena, Hera e Afrodite se interessaram de imediato pelo mérito de mais bela do Olimpo, mas não poderia ser Éris quem julgaria a beleza. Pois, quem melhor para julgar beleza do que um homem mortal bem bruto e ignorante ?
Sob essa ótima realista dos fatos, Éris entregou a maçã a Páris, um fazendeiro maroto e que aparentemente corresponderia às expectativas da deusa do caos.
Éris o disse : "Dá esta maçã à deusa mais bela, porém ouve o que elas tiverem a oferecer-te antes"
Éris, então, escondeu-se enquanto as três divindades chegavam à fazenda do pacato e rude Páris.
Primeiro, veio Atena oferecendo a Páris toda a sabedoria, o conhecimento, a filosofia e a perfeição do intelecto.
Em seguida, veio Hera oferecendo a Páris o poder e a riqueza, castelos, fortalezas, exércitos e preciosidades. A oferta lhe fora ainda mais tentadora.
Chegara, enfim, a vez da putamente bonita e gostosa Afrodite. Afrodite, que era aparentemente mais esperta que as deusas bocós da sabedoria e do lar, ofereceu àquele homem com os semblantes tão ... gentis. .. de pastor.. então, ela lhe ofereceu a mulher mais sexy fatal e bonita do mundo se ele lhe desse a maçã de ouro.
E com essa poker face de pronta pra trollar, Afrodite terminara a sua proposta.
Páris não levou nem um minuto pra optar pela terceira opção. Ele deve ter pensado pra dentro (É HOJE !!), enfim. Afrodite ganhara a disputa e a maçã. Logo, era chegada a hora de pagar o que oferecera.
Um vórtice se abriu ali e dele saiu a mulher mais bonita daquele mundinho chamado Grécia Antiga. Era Helena, toda dianekrugerfeelings e enfeitiçada para amar Páris.
Mas gente, nada é de graça, né ? Diferente da maçã, a Helena não saíra do nada. Ela era a mulher de um rei muito poderoso, Agamenon.
A união de Helena e Páris foi a causa da guerra de Tróia.
Éris deve ter passado anos em estado de nirana depois de trollar a Grécia inteira por causa de uma maçã de ouro.
Por pura sacanagem de Éris, Páris era pastor como hobby, ele era filho do rei de Tróia. Logo, ele já tinha muito dinheiro e, quando se é rico e poderoso, saber ler e escrever pode esperar. Sobra então a opção de ter a melhor mulher trofeu.
Afinal, tem que ser muito otário pra escolher ser inteligente ao invés de bonito e rico, sinceramente.

Vivacidade Egotista.

A nossa tragédia é sempre menosprezada por outrem. Afinal, é muito fácil menosprezar o que não viveu.
Nossa memória pode julgar o sofrimento de outrem através da heurística da disponibilidade. Caindo no viés do egocentrismo, tendemos a lembrar do que passamos e essa memória é muito mais viva do que a memória ganha através da experiência de outrem contada por outrem.
Vou deixar esse post meio bocó e curto mesmo, pois já perdi a linha de pensamento.

Friday, June 3, 2011

La Humanidad

Algún día ya te paraste para pensar y ver como hay demasiado mucha gente en el mundo ? 
Creo que ya seamos más que 7.000.000.000 de personas esparramadas por el planeta. Qué somos nosotros sino solitarias bípedas criaturas ? 
Irónicamente, hay un mayor índice de soledad en las grandes ciudades.
Siempre apresados,
Tan próximos y tan distantes a la vez,
Tan sordos somos a casi todo lo que pasa a nuestra vuelta.

Otras dudas caen sobre la humanidad (al menos a aquellos que todavía son aptos a amar)
Porque amamos ?
Qué es el amor ?
Hemos siempre amado ?
Porque nos sentimos incompletos sin las personas que tanto amamos ?

Una cosa un tanto diferente, pero que me molesta mucho es el facto de algunas personas no entendieren que su modo de vida no es el único tampoco lo más correcto a ser seguido !
La libertad de uno se termina donde se nace la de su próximo. 

Nunca he visto la nieve ! 
He descubierto durante estas ultimas semanas que el frío no me gusta lo que costumbra me gustar cuando no estoy feliz. Pienso que el frío haga la tristeza más fuerte, o al menos que nos recuerde que algo nos falta.
 
Y qué hay la humanidad con eso ?   Hum, no sé sino que el Sol hace bien a todos. Vale.
 

Ce qu'on n'aura jamais d’explication


Cet article sera court, d'accord ?
Aristophanes disait, second Platon, que l'amour peut être simplement reconnu avec une question à ceux qui disent de s'aimer.

Il leur demanderait "Qu'est-ce que vous voulez vraiment l'un de l'autre ?"

Si vous aimez quelqu'un, demandez à vous-même ce que vous voulez de celui/celle qui vous aimez. Pouvez-vous en répondre ? Connaissez-vous la réponse à cette question ?

Il n'y a pas de réponse à cette question qu'une étrange volonté que vous vous deveniez un unique être de nouveau.

Dirais-je que nous ne sommes que ceux qui furent faits vides, car nous avions osé trop. On essaye de remplir à soi-même de toutes les manières qu'on puisse trouver. Des fêtes, de l'argent, des Dieux, et cetera.

En tout cas, ce qu'on recherche tant n'est que nos moitiés perdues par hasard du destin.

Que c'est sinistre et que c'est correcte cette histoire... ça dépendra de vos points de vue quand même.

"QUE VEUX-TU DE MOI ALORS?"

Água

Primeiro artigo de junho, aeeeew !
Então. Nada me é mais peculiar e curioso do que a água.
Primeiro, pois o hidrogênio é o elemento mais estranho da tabela periódica ( se tu num manja de química, brother, num é problema meu).
Minha conexão com a água data da minha criancice, ou seja, há poucas primaveras atrás quando eu tinha uns 4 anos e comecei a natação pela primeira vez.
A água é esquisita, tem uma textura diferente da do ar. Nadar é uma sensação muito ímpar à de voar.
Nós somos compostos por muuuuuita água ! Por isso dizem que a Lua, além de manipular as mares, exerce sua maestria sobre nós, humanos.
Sou muito diferente da maioria das pessoas quanto a encantar-me pelas coisas simples. Quando nado, tento mergulhar de barriga pra cima pra ver a divisão entre o "mundo submerso" e o "mundo emerso". Gosto de tentar sentir que estou voando e de nadar no fundo da piscina com pés de pato imitando um peixe, enguia ou coisa parecida (Talvez isso soe super idiota, mas pelo menos eu me divirto sem apedrejar outrem).
Gosto muito de nadar no mar/oceano também ! Gosto de sentir as ondas e de procurar peixes, lesmas, aranhas-do-mar, estrelas-do-mar, crustáceos e o que mais puder aparecer por ali de fauna !
Todas as fotos neste artigo foram tiradas por mim há um tempinho já. Eu as tinha aqui no pc, mas nem lembrava-me delas !
Não gosto de ver rios poluídos. Dá-me uma aflição quando vejo toda aquela água feita podre por aqueles que vivem dela. Isso é irracional e o cúmulo da ingratidão !
Talvez eu não queira realmente ser rico (por mais que dinheiro seja a solução imediata de todos os meus problemas atuais), mas quero viajar o mundo todo. As melhores coisas da vida são de graça. O amor e a natureza são exemplos de raras coisas reais nesse mundo tão sobrecarregado de ficção. Estavam aqui antes de nós, estão aqui conosco e continuarão por aqui muito depois de sermos partidos.

Música que inspirou este artigo




Monday, May 23, 2011

Colagem, montagem.

Esse post será uma colcha de retalhos assim como eu.
Antes de mais nada, não tem foto nesse.

Tô fatal, vulgar, de mau humor e redundantemente antissocial, mas pelo menos tô alguma coisa.


Tô é puto da vida. Vô tá bem só quando eu tiver no primeiro mundo, numa casa maravilhosa, tomando meus bonx drink e fazendo videos escaldando todas as pedras que já cruzaram meu caminho.
Acho que vou extravasar no blog -.-

 tô meio "I can't break free until I let it go, let me go!"
Sabe, se eu pudesse voltar no tempo e fazer faltar oxigênio no meu berçário pra que eu fosse burro, eu até faria. Mas como NUM DÁ. O jeito é tocar essa porra em frente e jogar essa merda da minha maneira. ]

 Ser burro já bastava. Ir à praia nos fds, encher a cara de cerveja barata, comer todo mundo, casar com 16, ser crente, ir nos pagodes e, contudo, SER FELIZ. Puta merda crise existencial escrota do caralho nessa porra


Fora o dilema. As pessoas que eu mais gosto vivem a 104396759864057307502387203812-8-18 km daqui, exagero mesmo e vão se foderem. 
Acho que tô é precisando de uma festa. Matar a noite antes que ela me mate de vez.


Porra, se tiver alguma coisa nesse céu além de ar, dá um sinal aew que não sou a última pessoa nessa porra de planeta com alguma bondade na merda do coração e que faz coisas legais de graça !


Que disgrama, viu. Ah, se eu pudesse matar tudo o que sinto e recomeçar com o conhecimento e experiência que tenho agora. Mas no "se se se" o mundo não existiria (seria até bom ,sabe ?).
Se houver destino nessa porra de existência, é melhor que o autor esteja bem longe de mim quando eu morrer, pq senão a coisa vai ficar muito feia. 


Acho que não existe ter uma vida plena e realizar os sonhos ao mesmo tempo. Talvez compartilhar meus sonhos só os esteja infectando, corrompendo, diluindo, atrasando, desfazendo, desrendando as linhas e os tracejados que fiz para alcançá-los.


Assim que possível, jogar-me-ei por esse mundo afora e não me prenderei a pessoas idiotas.
Ó, ainda acho que existe uma alma-gêmea pra cada um de nós. Talvez até mais de uma.


Não sei quem é você, o que você faz e nem onde você está, mas eu amo você.



Saturday, May 21, 2011

Effort - Esforço


If unbuilding down my ego has almost(?) brought me into madness. We shall see now what's going to happen as I re-build it up once again. This time I'll be aiming on perfection and self-centred obstination.
I must become a lion-hearted person, I must give more than my best to achieve all my goals, I must believe in my goals, I must be fierceful and stand still through all my way to victory. Furthermore, I am only here to win.
"To be free, one must give up a little part of oneself". I've left some small and big pieces of my heart behind. But it seems I still have enough of this shit to keep breathing on.
Nonetheless, those pieces of me are important to me and I'd love to have them back, if possible.
I'd like to remember just as much as I'd like to forget..
"And when you've got no other choise, you know you can follow my voice.."

Se desconstruir meu ego quase(?) levou-me à insanidade. Veremos o que acontecerá conforme reconstruo-o mais uma vez. Desta vez, meu alvo será a perfeição e a obstinação autocentrada.
Devo tornar-me aquele do coração de leão, devo dar além do meu melhor para alcançar meus objetivos, devo acreditar em tais objetivos, devo ser forte e manter-me erguido através de todo meu caminho à vitória. Ademais, estou aqui apenas para vencer.
"Para ser livre, deve abrir mão de uma pequena parte de si". Deixei alguns estilhaços de tamanhos variados do meu coração para trás. Mas parece que ainda tenho o suficiente para continuar respirando.
Todavia, tais estilhaços são importantes para mim e eu adoraria tê-los de volta, se possível.
Eu gostaria de lembrar-me tanto quanto eu gostaria de esquecer-me.
"E quando você não tiver outra escolha, você sabe que pode seguir a minha voz"

Subway Lightning Love - Amor de Metrô

It was just another rushy day in my life when I had my first subway lightning love.
There was I in a subway train going to the university. I was putting some pages in order and doing some revision on those subjects I so have to memorize.
Then I noticed her. A snow-white skinned red haired girl wearing an odd dress and reading a Narnia book.
I searched through her face for news of my fate. She looked at me and I had a glimpse of her glance, but I couldn't recognize what she was thinking.
After some minutes that were felt like the briefest seconds, the train had arrived at the station where I was supposed to jump off.
Love had been given birth, it had grown, I'd thrown my eyes upon her for the very last time, she glimpsed me as if she were saying her goodbyes, love had then decayed and, as I left the train, it died.
Era apenas outro dia apressado qualquer na minha vida quando eu tive meu primeiro amor de metrô.
Havia eu naquele vagão de metrô, eu estava indo para a universidade. Eu organizava folhas e fazia alguma revisão de matérias que devo decorar.
Foi então que eu a percebi. Uma garota de pele branca como a neve e cabelos ruivos que vestia um estranho vestido e lia algum livro de Nárnia.
Vaculhei em seu rosto por notícias do meu destino. Ela olhou pra mim e tive um vislumbre do seu olhar, mas não pude reconhecer o que ela pensava.
Após alguns minutos sentidos como os mais curtos segundos, o trem chegara à estação onde eu desceria.
O amor, ali, nascera, crescera, eu lançara meus olhar à face dela pela vera última vez, ela me vislumbrou como se fosse despedir-se, o amor havia, então, decaído e, conforme eu saltava do trem, morrido.

Tuesday, May 17, 2011

Clichê

Detesto clichês. Todos aqueles filmes toscos comerciais que você deduz toda a trama logo nos créditos de abertura. Ou que você já sabe quem termina com quem pelo trailer tosco.

Meu celular piou agudamente e foi medonho.

Histórias clichês são todas basicamente iguais. O que muda é apenas o elenco. As pessoas que prezam-se em viver histórias previsíveis e ordinárias.

Talvez seja até inveja da minha parte, já que essa gente costuma ser feliz pra caramba e ainda tem um "felizes para sempre" no final de suas histórias mal cagadas.
.

Acho que não empatizo com o previsível e comum por não haver vivido uma vida comum eu mesmo. Afinal, o que somos nós senão lembranças, experiências e aprendizados ? (SINÔNIMOS ? -Q)

Ainda assim não... nem lembro o que eu escreveria aqui, já que faz 12 dias que não termino esse post. Acho que já está na outra de deixá-lo como está e começar um novo.

Ah, p'ra sair do clichê, nada de fotos neste post.

Friday, May 6, 2011

Squared Sun / Sol Enquadrado

Encaged.
Maybe I understand why I hate to see encaged animals, mostly those who were supposed to be flying. Nobody is born to be lock inside of a prision, whatever "prision" may mean to one, it is never a good things. It always has a meaning of something we have to get rid from. 
Houses with encaged animals normally are inhabited by people who are somewhat encaged too, mentally and/or physically. People who are attached to something, people who have long lost their freedom. What gives you the right to take away a bird's natural right to fly ? Maybe because your impulse to fly has been supressed too. This whole structure of society mistakes safety with prision. And it doesn't seem to be working at all, violence, hatred, disgust, contempt, coldness, despise, loath, they are all scattered througout the world, a world who believes in the very old lies from it's people. From a cursed race who is able to believe in it's own lies.

Besides everything else, what are we if not our minds' main prisioners ?
By creating new lies and new temples to worship and adore these lies, humanity locks itself within new kinds of loneliness. All created by them to themselves.
"I'll get bored and feel trapped because that's what happens with me" - The etternal sunshine of the spotless mind.
What I really crave for is to break the ultimate bars from the cage built to protect me, from myself, and from the world.
Perhaps I am just out of my mind...

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Emprisionados

Talvez eu entenda o porque d'eu odiar ver animais engaiolados, principalmente aqueles que deveriam estar voando.
Ninguém nasce trancado numa prisão; Não importa o que prisão signifique para alguém, é sempre uma coisa ruim. Sempre significa algo que tentamos desesperadamente livrarnos.
Casas com animais enjaulados geralmente são habitadas por pessoas que são, de certa forma, igualmente enjauladas; mental ou fisicamente. Pessoas que são presas a algo, que há muito perderam sua liberdade. O que dá a você o direito de revogar o direito natural de voo dos pássaros ? Talvez porque o seu impulso de voar tenha sido suprimido também.
Toda a estrutura da sociedade confunde segurança com aprisionamento. E não parece estar funcionando mesmo. Violência, ódia, asco, desprezo, frio, desdém, abominação, todos estão espalhados através do mundo, um mundo que acredita nas mais antigas mentiras do povo dele. De uma raça maldita condenada que é capaz de acreditar nas próprias mentiras.
Ao lado de tudo isso, o que somos senão prisioneiros de nossas próprias mentes ?
Pela criação de novas mentiras e de novos templos para louvar e adorar essas mentiras, a humanidade se tranca dentro de novos tipo de solidão, todos criados por ela para ela mesma.
"Sentir-me-ei entediado e preso, pois é isso o que acontece comigo" - O Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças.
O que eu realmente desejo é quebrar as extremas grades da gaiola construída à minha para proteger-me, de mim mesmo, e do mundo.
Talvez eu esteja apenas delirando.